O seu salão

ENCONTRE UM SALÃO

ENCONTRE UM SALÃO PERTO DE SI

Geolocalize o seu salão

Conheça os salões Jean Louis David perto de si

Ou

Léxico para compreender a linguagem do seu cabeleireiro: os cortes
Léxico para compreender a linguagem do seu cabeleireiro: os cortes
Especialistas

Léxico para compreender a linguagem do seu cabeleireiro: os cortes

Partilhe
Nos salões Jean Louis David, para evitar ambiguidades, os cabeleireiros recorrem bastante às ilustrações. Deste modo, poderá expressar-se concretamente quanto àquilo que pretende ao fornecer indicações claras ao seu cabeleireiro. Este, por sua vez, saberá que técnica privilegiar para ir ao encontro das suas necessidades. Mas isso não a impede de conhecer os termos básicos!
 
Corte curto: as orelhas e a nuca ficam descobertas. Apesar de não requerer mais cuidados do que qualquer outro, este corte obriga a dar uma saltada ao cabeleireiro de 6 em 6 semanas, quando muito, de 2 em 2 meses. Até porque, para crescerem saudáveis, os cabelos curtos exigem um bom corte de base!
 
Corte Chanel: este básico nunca fora de moda, adequado a qualquer faixa etária, costuma assentar ao nível do queixo, por vezes um pouco abaixo, mas nunca passa dos ombros. Faz parte dos cortes curtos e permite criar uma panóplia de versões. O corte Chanel (“bob” ou simplesmente “corte direito” para algumas) pode ser farto, repicado, liso, ondulado…
 
Corte médio: os cabelos dão pelos ombros. À semelhança do corte Chanel, também se pode apresentar em diferentes formas. Tudo depende da natureza do seu cabelo e do estilo que queira evidenciar. No caso deste corte, redobre os cuidados no que diz respeito às pontas. Isto porque, ao fazerem fricção com os ombros, é nessa precisa altura que começam a espigar. Por isso, lembre-se de as hidratar e de as aparar com frequência.
 
Corte escalado: fala-se de corte escalado a partir do momento em que deixa de ser cheio, isto é, ao ser-lhe retirada matéria no interior do cabelo. Permite dar forma à cabeleira e volume em geral. Quanto ao estilo, depende do tipo de escalado pelo qual queira optar.
 
Corte desfiado (ou repicado): neste caso, o objetivo é afinar a matéria. Por exemplo, se uma cliente desejar ter pontas mais finas, a solução será desfiá-las. Mas isso não indica, ainda assim, a quantidade de matéria a retirar. Recorre-se frequentemente a esta técnica quando se trata de dar volume aos cabelos. Em contrapartida, evita-se desfiar (a menos que seja só mesmo um pouco) cabelos que sejam finos, pois enfraquece a matéria.
 
Corte cheio: significa, pura e simplesmente, que todos os lados do seu penteado são iguais. Se não for cheio, trata-se, então, de um corte necessariamente escalado. Um corte cheio cria uma ilusão de densidade, mas convém que o cabelo seja suficientemente “leve” para evitar aquele aspeto de cabeleira pesada e sem vida.
 
Franja e repas: ao contrário do que se julga, neste contexto, não há qualquer diferença entre estes dois termos. Pode-se falar de franja comprida ou assimétrica, mas também se pode usar o termo “repas” (no plural).
 
Saber mais:

Expert
Jean Louis David

LAURA SUPERBI
Formadora em Paris
Formadora Jean Louis David em Paris
Descubra